Folheim for mobile


Se contar lá fora, ninguém acredita!

Passadas as eleições para prefeitos e vereadores, o que se constatou foi que o PT vai ter que remar muito novamente para se tornar crível novamente. Tentar voltar a ser um partido de ideias, de ideais, voltado realmente para o novo será seu grande desafio. Apesar de que, se realmente fossemos uma sociedade ética e responsável, os fatos lamentáveis dos últimos anos nem estariam sendo aqui discutidos. O brasileiro também tem muita culpa neste cartório!

Mas não foi isso que mais me chamou a atenção. Alguns fatos totalmente malucos e esculhambados mostraram o quanto a democracia tupiniquim ainda tem que avançar para, um dia, virarmos uma nação de verdade. Por exemplo, em todo o País, cerca de 40% dos candidatos, a prefeito inclusive, não tinham concluído o curso primário (!) e mal sabiam escrever seu nome. Em João Pessoa teve candidato preso, condenado por “alguns” assassinatos, que foi eleito para a câmara dos vereadores local. O Rio de Janeiro radicalizou geral. De um lado um pastor bancado pela Universal e de outro um ateu do PSOL. Ambos vão para o segundo turno. Teve vereador eleito com dinheiro do tráfico, com dinheiro de igreja, com processo por estelionato, dinheiro de milícia, ameaça de morte e por aí vai. Nível altíssimo!

Li uma entrevista de um sociólogo belga, que agora não me recordo o nome, em que ele coloca que a democracia é ótima, mas infelizmente não está ao alcance de todos. Ele diz que muita gente não consegue pensar direito para tomar decisões que podem afetar a vida de um país inteiro. E deu exemplo da saída da Inglaterra da CE, a vitória da esquerda radical na Grécia falida e outros. Achei um tanto exagerado a tese que ele defende, mas vendo tudo o que se passa de 4 em 4 anos por aqui, não considero mais tão absurda assim.

Enfim, como eu não me canso de dizer, aqui no Brasil nós temos o péssimo hábito de contar piadas de português como se nós mesmos, há muito tempo, não fossemos dignos de piadas, tamanha a esquizofrenia política e social em que estamos metidos.

(Marco Clerris - 51, foi redator publicitáro e atualmente é consultor de negócios no setor imobiliário, em Jundiaí, SP.)