Folheim for mobile


A festa medonha

Depois de nos maravilharmos com as Olimpíadas do Brasil, e me surpreender muito positivamente com as festas de abertura e encerramento, eis que chega o momento mais importante para nós que vivemos nas cidades: as eleições para prefeitos e vereadores. São eles que interferem na nossa vida cotidiana, muito mais até do que governador e presidente, pois estão diretamente ligados ao bairro e cidade onde vivemos.

Mas estas eleições municipais tem uma marca pitoresca e que mostram como anda o grau de esculhambação cívica em que estamos metidos. Os nomes dos candidatos a vereador são, ano a após ano, cada vez mais esdrúxulos.

Acredito que todo este exotismo é feito de propósito, para ninguém se esquecer do candidato na hora de votar. Mas tem alguns que extrapolam o ridículo. Que José Simão me perdoe, por exemplo, na Bahia temos o Ze Rolão, uma mulher (!), o Adelson da Antena, Binho da Pizza e Deni do Isqueiro. Em Campo Grande existe o tal Indignado Micorelli, a Baiana do Acarajé (em Campo Grande?), Marcelinho Azeitona, Mulher do Miranda e Tchê Cover do Michael Jackson.

Passando por Goiás tem a Tia da Vacina, Mangabeira do Sabão, Cachorro Doido e até o Vespa apareceu. Em Timóteo (MG) tem o Wesley Cuecão, talvez para homenagear o seu herói Safadão. O Estado de São Paulo não fica de fora desta com o Hakuna Matata, de Guararapes; o Pokemón resolveu aparecer por Rio Claro; o Carunchão e o Cigano Cacareco estão dando as caras em Ribeirão Preto. Tem até um Vira-Latas na Capital. Sem contar os candidatos transformistas com nomes “fortes e inesquecíveis” como Bixa Muda e Dulce dos Paus Pretos. Tem o tal Surfista no interior da Paraíba, pra alegrar uma das regiões mais secas do País.

Se vão realmente fazer alguma coisa eu não sei. Se formos na linha de como disse a, o, sei lá Tammy Gretchen , “todo mundo quer emprego com salário fixo”, provavelmente ninguém vai ter grandes ideias sociais ou projetos para entrar na história. Apenas querem um lugar pra ganhar seu dinheirinho “honestamente”.

(Marco Clerris - 51, foi redator publicitáro e atualmente é consultor de negócios no setor imobiliário, em Jundiaí, SP.)