Folheim for mobile

Relações Improváveis

Até onde podem duas pessoas chegar num relacionamento ?

Hoje em dia encontramos todo tipo e forma, desde os mais caretas até os mais obscenos. Mas qual o tipo ideal de relacionamento? O número de casamentos desfeitos só aumenta, sempre sob o argumento de que "tenho o direito de ser feliz", ou "vou à procura da minha felicidade". E a tal procura geralmente começa com velhas agendas, depois com as redes sociais, e finalmente com os já conhecidos aplicativos de paquera.

Falta... Leia +

(Marcio Poletto)

Editora Samba Books

Crônica

Escrevo Enquanto Respiro

Escrevo enquanto respiro, inspiro, expiro, soletro, escrevo. Na falta de ar, uma pausa, uma brisa, uma caminhada, e o ciclo se repete: inspiração, reflexão, expiração. Escrevo enquanto respiro, mais respiro do que escrevo, é certo, mas continuo a busca das palavras em meio a tanta falta de ar dos di... Leia +

(Marcio Poletto)

Cotidiano

Minha Megera Favorita

No famoso dicionário Aurélio, Megera traz o seguinte significado: s.f. Mulher irritadiça e má. Bom, toda mulher tem seus momentos irritadiços, pelo menos uma semana no mês. Quanto ao adjetivo "má", depende das circunstâncias, momento, motivos, mas todas as nossas mulheres têm lá seus momentos mais p... Leia +

(Marcio Poletto)

MP-Attus Softwares de gestão para Tradings

eBooks e Literatura


A ALMA ENCANTADORA DAS RUAS

(Clássicos - Editora Samba Books - ebook)

A alma encantadora das ruas, é uma reunião de textos publicados na imprensa carioca entre 1904 e 1907. O autor percorre as ruas do Rio de Janeiro para reter a sua essência e diversidade. A cidade vivia um processo de transformação acelerada, passando de séde da Monarquia para uma ambiciosa capital federal. Ela será o palco das perambulações de João do Rio, que costumava saturar seus textos de reminiscências decadentistas, mas o olhar que fixava no presente era o de um observador que se abria par... Leia +

sobre João do Rio


João do Rio, pseudônimo de João Paulo Emílio Cristóvão dos Santos Coelho Barreto, (Rio de Janeiro, 5 de agosto de 1881 — 23 de junho de 1921) foi um jornalista, cronista, tradutor e teatrólogo brasileiro.