Folheim for mobile

Sobre vida e morte

Já faz um tempo que o ator Domingos Montagner morreu, e devo confessar que poucas vezes fiquei tão sentido e tocado com a morte de alguém que não me era próximo. Um desperdício de talento, de vida enfim, que saiu de cena no auge da carreira de forma tão inexplicavelmente simples.

Isso me fez filosofar internamente sobre a fragilidade das coisas, sobre a lâmina tão afiada em que vivemos nossos dias, equilibrados entre o aqui e o outro lado. A morte pode ter milhões de explicações, mas ... Leia +

(Marco Clerris)

Editora Samba Books

Esportes

No país não olímpico

Não tem jeito. Entra Olimpíada, sai Olimpíada e os discursos são os mesmos: melhor participação da história, resultado excelente, nas piscinas, fato histórico, deu o meu máximo e consegui o que desejava, e por aí vai. O resultado prático disso tudo é que estamos nos acostumando a se contentar com 7º... Leia +

(Marco Clerris)

Física Quântica

Física Quântica

Tenho lido artigos e assistido vídeos sobre Física Quântica. Segundo os cientistas, o átomo se comporta como onda ou partícula, de acordo com o observador, ou seja, se você ficar olhando algo, os átomos envolvidos se apresentarão como partícula. Caso você desvie a atenção sobre eles, tornar-se-ão on... Leia +

(Marcio Poletto)

MP-Attus Softwares de gestão para Tradings

eBooks e Literatura


A ALMA ENCANTADORA DAS RUAS

(Clássicos - Editora Samba Books - ebook)

A alma encantadora das ruas, é uma reunião de textos publicados na imprensa carioca entre 1904 e 1907. O autor percorre as ruas do Rio de Janeiro para reter a sua essência e diversidade. A cidade vivia um processo de transformação acelerada, passando de séde da Monarquia para uma ambiciosa capital federal. Ela será o palco das perambulações de João do Rio, que costumava saturar seus textos de reminiscências decadentistas, mas o olhar que fixava no presente era o de um observador que se abria par... Leia +

sobre João do Rio


João do Rio, pseudônimo de João Paulo Emílio Cristóvão dos Santos Coelho Barreto, (Rio de Janeiro, 5 de agosto de 1881 — 23 de junho de 1921) foi um jornalista, cronista, tradutor e teatrólogo brasileiro.